Foco no office para curtir o home

[Alessandra Okazaki]

Seja para ter um filho ou para trabalhar em casa, ou ambos,há um fator importantíssimo a ser administrado: o tempo. Quando fui convidada a escrever aqui, por exemplo, não aceitei de imediato, precisava de um prazo já que havia uma “fila” de afazeres. Mas, não pude recusar, pois se tem uma coisa que eu gosto é escrever e poder ajudar os outros. Enfim, é exatamente isso o que acontece quando nos tornamos mães, sem querer abrir mão de outras funções como mulher, profissional, esposa, filha, etc… Nossa vontade é mesmo de querer abraçar o mundo, de não querer perder oportunidades, de aproveitar o… tempo. Aí que entra outro ponto tão importante na medida de em que o tempo se esvai: foco. Você deve saber realmente o que você quer, fazer escolhas e rezar para que elas sejam as certas. Caso contrário, você enlouquece e não curte nada, nem o trabalho, nem o crescimento de seu filho.

Sou jornalista free lancer, trabalho há três anos em casa. Tomei a decisão de montar meu home office pouco antes de engravidar. Queria liberdade e flexibilidade, pois nunca gostei de ser monitorada o tempo todo e da rotina com horário e local fixos. No começo, me bati um pouco para aprender a me concentrar e não misturar afazeres domésticos com os profissionais. Com o tempo, fui me organizando. Hoje, com a Maria Luisa com um ano e sete meses, posso dizer que estou bem familiarizada com o assunto. Foco, organização e disciplina são as três palavrinhas de ordem.

Uma sala ou quarto isolado com porta também é essencial. Afinal, é preciso se concentrar e falar ao telefone sem ter o som de criança como fundo. Outra dica é ensiná-la desde cedo que ali a mamãe também trabalha. Quando Maria Luisa começou a bater na porta do quarto me chamando aos berros, cheguei para ela e disse: “Meu amor, mamãe vai trabalhar agora, tá? Fica com a Fá (a babá) e depois a mamãe volta, tá bom?”. Ela nunca mais bateu. Outro desafio superado foi resistir à tentação de querer ficar com ela o tempo todo. Só saio do quarto em casos extremos (um choro mais forte, por exemplo) ou para almoçar e tomar um lanchinho, quando aproveito para “dar um cheiro”no meu bebê – ah, como é bom trabalhar em casa! Claro que nem tudo é tão rígido, aliás, essa palavra não combina com home office. Como sou eu que administro meu tempo, posso quebrar a rotina e ir passear na praça com ela pela manhã ou ir ao supermercado no meio da tarde. Já depois das 18h, sou exclusiva dela. Hora de jantar, tomar banho, brincar, mamar e dormir. Depois, se preciso, volto para o laptop.

Se vale a pena tudo isso? Não me vejo em outra situação, estou realizada com o meu home office. Com ele, consigo conciliar com menos estresse e angústia coisas importantes na minha vida: a realização como mãe e profissional.

Alessandra Okazaki é jornalista em Curitiba e mãe de Maria Luisa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s